sábado, 15 de outubro de 2011

De parecenças, parcerias e simbioses


Oi meus queridos,

Já tem um tempo que estou pra escrever sobre as imagens que ilustram meus textos.
Na minha opinião, é incrível como as “fotos casam” com as mensagens! Algumas, até dispensariam as palavras.
Pois bem: quem ilustra o blog, é a Tainá. Aliás, digita, edita, dá cara e corpo a tudo o que escrevo... a lápis!
Além de analfabeta digital sou do tempo do LÁPIS! É assim que gosto de escrever!
Pois bem. Ontem, graças ao humor de cão que tenho estado, fui grosseira com minha filha, me referindo a uma imagem. Não tive sensibilidade para entender a mensagem dela e fui muito estúpida.
Estou aqui para me desculpar de público e, creditar os méritos a quem de direito: o blog só tem a beleza, leveza e ternura que tem com imagens puras, brilhantes e singelas, por que ela fica até 2, 3 horas da manhã pesquisando. O mérito é do amor, carinho, dedicação e compromisso que ela tem comigo, com vocês e com o “Tô com aquilo”. Perdão, querida, mas mãe também é imbecil de vez em quando.
Eu te amo. Obrigada por tudo!
__________________________________________________

Para o poeta e andarilho Mario Gomes, que é a alma da Praça do Ferreira, em Fortaleza-CE, meu carinho e saudade, pra sempre!


Ele é muito especial, no seu conversar sozinho.
Faz da vida, amoral, um estado em desalinho.
Debochado, pornofônico,  abusado e abusivo,
Bebe, fuma, sem parar           
Poetiza compulsivo,
Dorme nas ruas, sem medo,
Dá “carreira” em trombadinha,
Cobra atenção do Governo
Ironiza poderosos
Sonha sonhos apavorantes,
Outros tantos tenebrosos,
Já foi um poeta infante,
Garboso, muito elegante,
De terno e gravata brancos...
Dono do banco da praça,
Chamado “seu escritório”
Foi tema de livro e estudo 
de diplomata notório,
Andou com lindas mulheres,
Viveu muito, foi feliz!
Um dia escreveu um verso
“Ontem ao meio-dia comi um prato de lagartas. 
Passei a tarde defecando borboletas.”
Ficou famoso, ganhou prêmio.
Riu-se disso tudo. Ri-se disse tudo.
Perdeu a vontade de fingir normalidade
Não faz questão, diz o que diz...
E vai vivendo, falando sozinho,
Bebendo cachaça, fumando adoidado...
Cruzando o espaço da praça,
Contando seus passos, tamanho,
Lembrando dos amigos os nomes...
Louco e lindo, vive,
O poeta Mário Gomes!

Mil beijos,
Tania Pinheiro.

4 comentários:

Célia disse...

... é Tania... mãe também é gente, não super herói... também erra... acerta pouco... mas sabe rever-se enquanto gente que é e pedir perdão! Isso é nobre e a Tainá sabe sim acolher isso tudo. Abraço e bom sabado ai em Sampa! Célia.

Célia Gil, narciso silvestre disse...

Belíssima postagem, Tânia! Bjs e bom fim de semana!

Mery disse...

Oi, Tânia, você consegue muito, tenho uma irmã que nem gosta de computador e nunca quis aprender nada, é avessa a tudo que diz respeito à informação pela internet.
Eu amei o poema, viu.
Ótimo sábado e muita paz pra você.
Beijo da Mery*

Ivone Poemas disse...

Olá amiga Tania! Nem sempre, nem todo dia, estamos de bem com a vida, pois há sim momentos em que nos arrependemos de nossos atos e isso traz culpas quando não se pode pedir perdão e sermos perdoados, portanto amiga, se sua filha te perdoou, deixe a vida tomar seu rumo!
Se perdoa também!!!
Adorei seu texto, espero que logo seu estado de saúde esteja totalmente sob controle e irá se sentir bem e feliz, podes crer, assim o desejo à você!
Ivone