quarta-feira, 23 de novembro de 2011

“Sonho que se sonha só, é só um sonho que se sonha só...”


Oi meus queridos,

Vocês já viram como é difícil conviver, mesmo com as pessoas que mais amamos?
Somos diferentes. Temos sonhos, planos, anseios, pessoais e intransferíveis. Gostamos de coisas diferentes, desejamos coisas diferentes, por sermos únicos, personais e... intransferíveis!
O que não diminui nosso amor, necessidade do outro, torcida pela sua felicidade, compromisso, parceria, vontade de estar junto... enfim, essa maravilhosa sensação de amar e ser amado.
Porém, verdade seja dita, conviver não é fácil!
Minha filha precisa dividir planos e eu, me nego a fazer a minha parte. O câncer me travou. Planificar a longo prazo é difícil, quando estamos fazendo quimioterapia. Ela precisa saber até onde deve e pode sonhar para nós duas. Eu tenho medo de sonhar e não ver concretizar o sonho. Então, ficamos ambas tristes, amarguradas, sentindo o peito vazio e a alma pesada.
Se eu tenho fé? Tenho.
O que me faltam são as certezas. Tá. E alguém pode ter certeza?
Eu sei que tudo é relativo. Conscientemente, sei que é idiota não fazer planos. A droga é que o subconsciente é forte e não me permite ser racional.
Mas, querendo tanto ver minha filha feliz, acho que vou procurar ajuda para voltar a sonhar.
Não posso impedi-la de querer crescer, realizar-se, conquistar seus objetivos e ideais. Para isso, preciso estar junto. Pelo menos enquanto estiver ao lado dela. Mas, verdade seja dita: conviver é muito difícil. E fazer planos em dupla, mais ainda! Mas, se Deus nos ajudar, vai dar certo!
__________________________________________________

Para os guardiões de sonho que se vestem de Papai Noel e não permitem que morra a ilusão e pureza das crianças...


Que acreditam no lúdico, na alegria e na pureza do Natal, desejando que a globalização, a modernidade e o consumo sem freio, não acabem de vez com a data mais bonita, que é a da chegada da esperança, o nascimento do Menino Deus.
A eles, os donos do Ho!Ho!Ho! Que alimentam nos nossos corações a fé, a solidariedade, o amor e vontade de estar juntos, compartindo e compartilhando a ilusão de um mundo mais justo, humano, decente e feliz, meu obrigada sincero e um pedido; Não deixem morrer a tradição do Papai Noel. As crianças que fomos, as crianças que são e as que virão... Agradecem!

Mil Beijos,
Tania Pinheiro.

4 comentários:

Célia disse...

Olá, Tania! Sábias palavras! Olhe que conviver conosco já é uma arte... convosco, então... uma aventura! Uma questão de mentes e de química mesmo! Precisamos desse cenário para sobrevivermos em nossos ideais sonhados e acalentados! Que venham "os natais" diários do renascer a cada dia! Que o Menino Deus nos abençoe!
Abraço, Célia.

Carla Ceres disse...

Oi, Tania! Conviver com o nosso subconsciente não é fácil também, mas você está no caminho certo. Vá se reacostumando a fazer planos devagar. Isso torna seu subconsciente mais seguro. Beijos!

O Guri disse...

Vai lá, para de sonhar e fazer planos... pra que sonhar, pra que planejar o futuro? pra que se preocupar com o amanhã se ele acaba depois de amanhã (frase dita pelo Pica-Pau)?

Olha só, sei que você tem todos os motivos pra isso, mas não deve deixar de sonhar. Por que se não, não sobra muito da gente. Clichê...

Adicionei você aos meus blogs amigos...

http://umgurientregurias.blogspot.com/

Facundo disse...

Concordo do clichê do O Guri. Os sonhos, assim como o Papai Noel, não devem morrer dentro de nós. Deve ser por isso que o Jesus disse que a coisa só vai se a gente ser como crianças. Sem sonho nêga, num vale a pena nem ir ao banheiro dar uma cagadinha. Falo da cagadinha não como forma xula de ser, mas para mim esse momento sagrado é um dos que eu mais fico pensando nos meus sonhos. Eu só aprendo as coisas fazendo merda amiga! rsrsrsrsrs Enfim, se tem dificuldades de sonhar só, sonhe junto! Te amo!