quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Comemorar o que?


Oi meus queridos,

A demora na postagem deve-se ao “Furaquinho”, que passou por nossas vidas, digo Tainá e eu, chamo de “inho”, pois se fosse “ão” vocês não estariam lendo essas bobagens.
Hoje, 20 de novembro, comemora-se o dia da Consciência Negra... (E eles eram inconscientes antes?!?)
Meu lado rebelde começa a discordar desde o nome dado ao dia. Nossas “neguinhas e negões” começam a perceber a sua REAL BELEZA, e já nem usam mais Henê! Sou, como todo o brasileiro, negroide, e levo em minhas veias sangue forte, de guerreiros altivos, de mulheres parideiras e criadoras da sua prole.
Não concordo que em algum momento, aboliu-se a escravidão, libertou-se o povo negro para viver como povo! Um país falido, com uma corte de idiotas: a natureza e suas malandragens, que fazia chover ou queimar o sol sem parar, derrubou o café, as autarquias, a altivez dos grãos senhores, que se viram forçados a fugir, ou contratar colonos europeus... Porém, isso não é aula de história e sim a minha opinião sobre o 20 de novembro!
Tirando os negros nos esportes, onde de longe, mostram sua superioridade, quem são nossos lideres dignos de respeito e admiração? A atriz Ruth de Souza? Cartola, Pixinguinha, Augusto dos Anjos, o Aleijadinho (que Deus os tenha e deixe a Ruth um pouco mais conosco). Não sei qual foi o bem que Pelé fez a Pátria, mas, louvado seja o Grande Pai, pois pelo menos para falar o nome do Ministro Joaquim Barbosa, podemos até soberbamente abrir a boca e dizer: Esse é um líder negro!
É claro que, além dos pouquíssimos exemplos citados, existem milhares de irmãos, matando um leão por dia e exigindo o respeito devido a sua raça e sua cor.
Sou absolutamente contra a Lei de Cotas: nosso problema é social, é educação da mesma qualidade para todos os brasileiros, porque você pode ser “polaco” como dizem em Santa Catarina (branco, louro, com lindos olhos azuis), sendo pobre, seu destino é a escola pública e, a partir daí... o filho do rico que estuda em grandes colégios, com esporte, lazer, biblioteca digital, alimentação nota 10, tempo para curtir depois da aula... pois é, polaco, ele já está quase na linha de chegada.
Conheci pintores, atores, escritores e poetas, profissionais liberais de diversas áreas, inclusive a medicina, Negros, cheios de orgulho. Costumo dizer, que preto é cor, sapato, cinto, pneu... Negro é raça!
O motivo deu estar escrevendo tudo isso é um só: não precisamos de uma data oficial para nos reconhecer e respeitarem nosso valor. Senão, que haja o dia do albino, do português da padaria, dos orientais, bolivianos, enfim, o que o “poder” achar que deve ser homenageado.
Eu já me daria por feliz, se alguém, instituísse o dia de prender corruptos, de capar estupradores, de caçar e fazer pagar por cada falcatrua cometida contra os brasileiros multicores, os presidentes, os secretários, ministros, deputados e senadores, enfim, essa maravilhosa gangue, que carrega satisfeita o “Estandarte do sanatório geral”!
Por ser e saber quem sou, todos os dias em que construo algo, apoio um irmão, preservo a natureza, respeito meu semelhante, todos os dias em que ainda habitar por aqui, são meus e dos meus semelhantes e assemelhados, dispensamos o feriado e as espúrias homenagens!
Viva Zumbi dos Palmares!
Axé e fé, irmãos de todas as raças e cores!
Deus te proteja, guarde e abençoe meu amado Brasil!


Mil beijos,

Tania Pinheiro.

4 comentários:

Célia Rangel disse...

Tania! Aplausos em pé! Uma "senhora aula de humanidade"... As duas mãos entrelaçadas no final do seu depoimento chegam até aqui como a de meu filho e minha nora. Uma lição de vida para mim, que fui criada cheia de "pre-conceitos"... de "não pode"... e, hoje tenho a união dessas duas raças amorosamente com um fruto lindo - a Isabele - neta cheia de charme, vida, saúde e alegria! Deus, mais uma vez, mostra-me a superioridade humana, sobre todo e qualquer outro valor, que em minha educação na infância foi impingido. Muitas vezes é o "branco" que vai para o "tronco" e não se liberta de um país preconceituoso como o nosso, com direitos e vantagens para alguns e só deveres e chicotadas para muitos!
Abraço.

Carla Ceres disse...

Oi, Tania! Também sou contra o sistema de cotas pela cor da pele, nas universidades. Acho que seria mais justo se as vagas fossem destinadas às vítimas de nosso péssimo ensino público, em geral. Ainda assim, a medida só deveria existir por pouco tempo, até o governo cumprir seu papel e fornecer ensino de qualidade a todos. Belo texto! Parabéns!

Tania Pinheiro disse...

Célia, Deus é tão poderoso que permite que almas gêmeas como as nossas possam se tornar espelho, minha nora também é negra, linda, e ama meu filho. E a tia-mãe da Tatá, mãe-mulher do meu irmão, é a negra de alma mais transparente que eu já vi. Obrigada por dividir conosco seu exemplo de vida. Amo vc, minha amiga!

Tania Pinheiro disse...

Carlinha querida! Que bom que vc gostou do texto, que bom que vc é minha amiga, que bom que concordamos em princípios, que bom que existimos! Axé pra nós! Beijos meus e da Tatá. Depois vou te visitar no blog. Precisamos conversar.