sábado, 9 de novembro de 2013

Quanto apavoram os recomeços!


Oi meus queridos,

Pois é, o benefício pelo câncer acabou, o que tenho que fazer agora é procurar um psiquiatra (possivelmente mês a mês) e tentar continuar recebendo por conta dos zilhões de problemas que a depressão tem me propiciado. Ando totalmente a flor da pele!
Estou tomando hormônio para equilibrar o meu humor, pela manhã tomo 3 compridos de sertralina, à noite tomo 1 diazepam + 2 amitriptilinas para dormir. O pior é que eu não durmo, e quando durmo, falo a noite toda, principalmente com os meus pais (que já morreram), saio andando pela casa, sem destino. A pobre da Tainá não sabe o que é um sono tranquilo sei lá há quanto tempo...
Tem horas que não lembro o que comi hoje, mas, falo naturalmente da primeira apresentação artística da Tatá na escolinha (ela só tinha 3 anos).
Em certas ocasiões esqueço o nome das pessoas, fico embaraçada ao chama-las de queridas, em outras, pior, esqueço o assunto que conversávamos.
Tem dias, que gostaria de jogar tudo pro alto: família, amigos, tratamento, e, ir em frente feliz e livre ao encontro do eterno descansar!
Em outras ocasiões, me torturo por não ter sido mais “esperta” por achar que nada vale mais num homem que seu caráter, sua moral. Eu poderia ter feito um bom “pé de meia”, se não fosse tão idiotamente honesta, cobrando preço justo pelo meu trabalho, ensinando meus filhos a respeitar a propriedade e os direitos dos outros. Não tivesse sido tão tonta, defendendo o que EU acreditava ser o certo, tendo no peito a certeza, que só é digno do pão, aquele que semeou e colheu o trigo, retirou-lhe com respeito à casca, e grato a Deus, sovou e assou o que honestamente produziu.
Sei que no mundo existem alguns milhares de milhões de homens e mulheres assim. Alguns, por motivos só explicados por Deus, prosperam, passando a seus dependentes a importância de ganhar com o trabalho cotidiano. Muitos, talvez a grande maioria, vivem uma vida moderada, sem grandes lampejos de alegria ou dor, amam ao Pai, a família, o trabalho, os amigos e, sempre que podem, tentam amparar um semelhante em pior situação.
No Icesp, onde me trato, cruzo diariamente com pessoas, que se vê nos olhos que nem sequer café da manhã tomaram. Porém, serenas, recebendo com bondade um tratamento que é seu por todos e quaisquer direitos: o penal, o humano, o moral e acima de todos, o respeito de saber que aquela pessoa paga impostos acharcantes, desumanos e imorais, a uma corja, que além do falar bonito, sorri sempre o mesmo sorriso, são incapazes de olhar para o lado e reconhecer, como dizem as escrituras, “o seu irmão”!
Ainda em tratamento, sem trabalho ou perspectiva de, tendo ao lado meu anjo protetor, a Tainá e acima de nós o Grande Mestre do Universo, sinto-me aos 60 anos tão apavorada, como se tivesse 10. Sei que só tenho dois caminhos: enfrentar com a cabeça erguida, confiante nos bons que ainda me rodeiam, respirar fundo, fechar os olhos, agradecer a Deus pela vida e tudo de lindo que ela me deu... Ou procurar o pessoal da Playboy, mostrar a perfeição de trabalho executado pelo Dr. Márcio Paulino, imediatamente após a retirada do tumor, ofertando de brinde a chamada da matéria: Cabeça de 100, corpinho de 50, pernas de 30... e um par de seios de 15 anos jamais apalpados! Quem sabe? Vai que dá certo?! Doida pra isso eu sou.

Mil beijos,

Tania Pinheiro.

7 comentários:

Célia Rangel disse...

Tania!
Ainda assim, com todas as mazelas, você me deixa aos risos aqui com sua fantástica ideia da Playboy... Nas encruzilhadas da vida... há sempre uma saída, um retorno, um recomeço... Aprendi depois de certo tempo a:"Confiar/Entregar/Aceitar/Agradecer"... Envio-lhe minhas energias positivas, ok?
Abraço.

P.S. Lucas disse...

Sinto por você estar passando por isso. Mas acredito que você vá superar logo.

Sabe, eu também sinto uma tristeza que não passa. Mas a gente vai levando com ela junto.

Não entendo mesmo porque algumas pessoas prosperam com trabalho duro e outras não. E porque algumas tem sucesso e não merecem. Ao menos, eu acho que não merecem.

Mas quem sou eu pra julgar?

Aposto como está lindona!

Tania Pinheiro disse...

Célia, amiga! Vou te dizer que apesar de já terem se passado 3 dias, continuo com a cabeça quente. Na minha enciclopédia de opções, vou de cozinheira em casa de bacana a voltar para minha profissão registrada. Só sei cozinhar e escrever, o resto eu engano. Mas eu tenho uma benção, uma filha que quando as minhas noias atravessam o Terraço Itália, vai pé ante pé e sussurra ao meu ouvido "num pula não doida, tu nem é passarinho"... e aí o abraço apertado e o beijo filial me trazem de volta a terra.
Com relação a Playboy, estamos em negociação rsrs... Beijo!

Tania Pinheiro disse...

Guri, quase que eu te pego aqui no blog, mas já que não deu: Primeira homenagem "olha aí, ah o meu guri, olha aí"... segunda, tenho plena consciência que a senhora sua mãe é uma santa, mas em compensação o filho...
Tristezas, querido, mágoas, solidão e até mesmo a revolta pela injustiça humana, fazem parte do Caráter de quem tem. Graças a Deus vc é jovem, forte, inteligente, lindão... e vai superar tudo isso, pq seu coração é lindo!
Com relação a minha aparência, brinca não cara, eu ainda dou um caldo!
Brigada por ter voltado, toma vergonha e não fica tanto tempo longe e os beijos da Tatá e meus são no rosto.
Amamos vc! =P

P.S. Lucas disse...

Pode deixar, prometo que não vou ficar mais longe!

Obrigado pelo carinho de vocês, são muito especiais!

Abração,

Carla Ceres disse...

Tania, Tania, quem tem cabeça de 100 não escreve um texto com esse final bem-humorado. Você está muito melhor do que imagina. Recomeçar assusta sim, mas você está fazendo o certo, prosseguindo com o tratamento e dando um passo por vez. Continue firme. Beijos!

Canti disse...

Tô esperando sua visita. Bj. Não consigo responder seu email, não sei o que acontece