quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Toda moeda tem dois lados, se não tiver, é medalha!


Oi meus queridos,

Sinceramente, minha vida está um furdunço tão louco, que ultimamente até pra escrever tem sido difícil. E olhem que as palavras sempre foram meu amparo, minha segurança, minha arma maior contra as tristezas, injustiças, picaretagens... e também para falar e demonstrar amor, carinho, amizade e gratidão.
Amo as palavras! Até as esquisitas ou pouco sonoras, ou, o que é pior abrasileiradas com sentido totalmente inverso ao sentido real!
Nesses dias que estive quieta escrevi algumas coisas, a maioria mostrava o lado podre da moeda!
Ucrânia, Venezuela, jornalistas assassinados, chacinas, bandidos assassinos, mascarados, enchentes, incêndios, morte, medo, angústia, solidão, tudo isso iluminado pelo fogo dos ônibus incendiados.
Foram muitos dias em que não liguei televisão, não quis ler jornal, me enclausurei no meu cantinho, cuidando da minha perna e da Tatá, que retirou o siso, e que só não foi pior porque a neguinha é DURA NA QUEDA! O que mais angustia, é que ainda faltam três, ou seja, estamos nos preparando física, espiritual e emocionalmente para o que vem pela aí...
Antes que eu tivesse tempo para virar o lado da moeda, assisti perplexa, Fátima Bernardes fazendo propaganda da Seara, o Guga vendendo Aurora, e pasmem, o Rei, salivando como um quase canibal frente a um prato de purê de batatas, aspargos e um su-cu-len-to filé da Friboi! O incrível é que por mais de três décadas, o próprio se declarava vegetariano. Até pela salvação das baleias, ele cantou (e ganhou muita grana!).
Estamos vivendo, na questão educação televisiva, a explosão das quebras de paradigmas: Médicos “quase” alcoólatras, “quase” assassinos transformados em virtuoses da música clássica, que se queixam de apesar de ter todas as plateias aos seus pés, sentem-se vazios e infelizes... cenas de racismo camuflado (aonde um jovem branco adotado por uma mãe negra confessa abertamente ter vergonha da sua situação), cenas de homossexualismo escancarado, propostas de ménage à trois... UFA! Não tá fácil não!
E eu, que deveria estar escrevendo amenidades, dando receitas de comidinhas saudáveis (eu sei um monte, minha filha é vegetariana), comentando os bons livros que tenho lido, compartilhando com vocês como andam meu tratamento, meus sonhos, o quanto sinto falta dos recadinhos, eu que já deveria ter começado meu curso de informática, pegar minha filha pela mão e caminhar, fazer yoga, INVENTAR uma forma de ganhar dinheiro sem me agredir, corromper, ou trair as coisas em que creio, fico aqui escrevendo essa montoeira de bobagens...
Ops! Desculpem a minha falha: Eu estava descrevendo uma medalha, não uma moeda. Juro que foi sem querer. Mas prometo que a próxima postagem vai ter só coisa boa, ***, e quem sabe até, uma receita de rocambole de soja que a Tatá e o Paulinho inventaram.

Mil beijos,
Tania Pinheiro.

2 comentários:

Célia Rangel disse...

Ah! Tania, a "grana" fala mais alto para esses trilhardários artistas... Veja como eles se transformam em ricos empreendedores do luxo... enquanto "o povão" que "pira na batatinha" vendo-os na TV, ouvindo suas músicas, e demais artes, em geral lotam o transporte público, feito sardinhas em lata, comem e dormem mal e refestelam-se com as migalhas novelescas - o vale tudo moral- Sabe de uma coisa? Vamos formar o bloco da bandalheira e desfilar sambódromo afora... Afinal, é a "festa da carne"... Viva o rei e o sua suculenta picanha... (também podemos trocar a letrinha c pela r)... Nós amamos as letrinhas, não é mesmo, amiga!
Beijão e relax, please!! Bjks na Tatá!

Carla Ceres disse...

Oi, Tania e Tainá! Estou bem irritada com o Roberto Carlos querendo atrair vegetarianos pra Friboi. Eu não sabia que ele era vegetariano, mas, se era, não deveria vender seus ideais. E se não era, não deveria se passar por ex-vegetariano. Então, ele fica entre o vendido e o falso. Em qualquer dos casos, foi desrespeitoso. Nunca engoli seu bom-mocismo forçado e sua carolice. O show de hipocrisia de agora foi a gota d'água. Beijos!