quarta-feira, 8 de maio de 2013

Tentando entender a cabeça do “outro”...



Oi meus queridos,

É engraçado quando uma pessoa cheia de dúvidas e questionamentos sobre si mesma tenta compreender a cabeça do outro! Porém, existem situações, em que fica quase impossível fugir dessa atitude. Explico:
Embora me considere alguém com poucos e raros preconceitos (tenho alguns sim! Sou humana) procuro aceitar meu semelhante, por mais “dessemelhante” que ele me seja.
Então, tirando os homofóbicos, os políticos profissionais, os cretinos e hipócritas de carteirinha, os fanáticos religiosos, os destruidores de sonhos, mentes, bichos, florestas e gentes... Enfim, excluindo o que não presta, procuro conviver em harmonia com os viventes que me rodeiam.
Tenho inúmeros defeitos, muitas carências, vários e inconfessáveis medos e traumas, tenho pequenas invejas boas (a beleza da Tatá, da Tábata, a alegria do Leandro, a pureza da Aniole, a bondade do Léo Guerra, a Luz da Laura Testa, o tamanho da Dra. Jujú...), tenho raivas que procuro administrar para que não se transforme em ódio (os políticos ‘de novo’, “pastores” de almas, magnatas destruidores da natureza, pregadores de falsos valores...), sou arrogante, prepotente, pouco grata a Deus, a Tainá, aos médicos (afinal eles lutaram para me manter viva!) já que me cuido mal, não faço as coisas que e como devo, volta e meia passo dos limites no copo e na euforia... Enfim, defeitos, tenho-os de sobra e reconheço, poderia melhorar como pessoa se me esforçasse um pouco!
Porém, não entendo como criaturas que não me conhecem, não convivem comigo, nada sabem sobre meus problemas, necessidades, medos, anseios, sonhos, se dão ao luxo ou desrespeito de opinar sobre mim, minha vida, minha família ou jeito de enfrentar meu dia a dia!
Não, eu não estou precisando de homem. Não para me sustentar, regular meus atos e pensamentos, ocupar espaço na minha casa, espalhando roupa suja, autoritarismo ou falso amor, não preciso fazer sexo pelo sexo, tenho 60 anos meu tempo de cio passou faz tempo!
Não acredito em dividir ou compartilhar mágoas, más lembranças, frustrações, sonhos perdidos ou jamais realizados. Não acredito em fazer amor! Pra mim, amor se sente, não se faz; E ele é alimentado ao longo da vida, com a convivência o respeito, o carinho cotidiano, as lutas lutadas juntos, e perdidas ou ganhas, lutadas juntos!
Não acredito em estar com alguém, por qualquer tipo de interesse espúrio: Conforto financeiro, posição na sociedade, respeitabilidade (?) por ter alguém. Não! Eu não preciso de um homem, “cara amiga” que foi tão infeliz no comentário. Meus problemas não estão no meio das minhas pernas nem nas despesas que preciso honrar com meu trabalho e suor. Menos ainda, a solução deles. Preciso de amigos, de me sentir útil, preciso e muito e urgentemente trabalhar, me sentir amada e respeitada pelos que amo e respeito, e principalmente, preciso me fortalecer para não sucumbir à mesquinhez, a inveja, a falta de criatividade, humor e amor ao próximo, que crescem como erva daninha, neste mundo de meu Deus!
Preciso respirar, sorrir de dentro pra fora e agradecer a Deus por ser, apesar de tudo, a mulher feliz e abençoada que sou! Pode parecer arrogante, me perdoem, mas eu me orgulho e muito de ser Tania Pinheiro.

Mil beijos. 

3 comentários:

Carla Ceres disse...

Não li esse comentário infeliz, Tania. O que eu sei é que você tem todos os motivos do mundo pra se orgulhar de ser Tania Pinheiro porque Tania Pinheiro é uma guerreira admirável e está no caminho certo para continuar se superando. Beijos pra você e pra Tatá!

Célia Rangel disse...

Tania! Como há pessoas desocupadas e vazias interiormente, que só pensam com 'a genitália', hein? Como aprendo com você e com o exemplo da Tatá! Vocês poderiam muito bem ficar incógnitas com seus problemas, mas não, vieram a público expondo, sem censura alguma, as agruras pelas quais passam as pessoas normais. Crises emocionais, físicas, de saúde, financeira, de baixa autoestima, que atire a primeira pedra, quem nunca as teve! Siga com sua autonomia, autenticidade, realismo e garra de vida. Isso me toca e me ensina muito! Você e a Tatá têm 'massa cefálica nobre"... feliz que compartilha de suas amizades! Beijo e o meu carinho pra duas! Célia.

sonia regina disse...

Ola moça eloquente.. Tenho visitado sua pagina, sou aquela destrabelhada que te conheceu na marcação de consulta, lembra-se? É muito interessante conhecer mentes pensantes. Psrabens pelas mensagens que nos fazem colocar o tico e o teco em funcionamento.abração..