sexta-feira, 13 de setembro de 2013

“Separando o joio do trigo”...


Oi meus queridos,

Lembram daquela expressão antiga “tem dedo podre”? E aí podia ser complementada por: trabalho, amor, amigos...
Ter dedo podre para as nossas avós, era um misto de falta de sorte e incapacidade de escolher bem!
Eu sou uma, que reconheço, tenho “mão podre” para escolher determinadas coisas. Na juventude, crédula, amante voraz da Pátria e da democracia, escolhi unir-me aos que lutavam pelos mesmos sonhos que eu: ME LASQUEI! Viraram uma camarilha, que mente, engana, e o que é pior, rouba a fé do pobre povo brasileiro! Os elementos que conheci, há mais de quatro décadas, nada tem a ver, nada tem em comum com os “Lula, Dilma, Zé Dirceu, Genuíno e Cia Ltda”.
Minha filha de 25 anos, pergunta, volta e meia, até aonde poderemos cair antes de nos unirmos e reagir?
Não sei, embora quisesse do fundo do coração, ter a fé e a energia de 40 anos passados, e, responder confiante: é hoje, a hora, agora! Vamos pra rua chamar o povo, para tomar posse do que é nosso: o Brasil!
Porém, independentemente do câncer, já não tenho nem força, nem fé, nem vontade de lutar, já que, para o lado que olharmos, veremos miséria, violência, doença, zumbis caídos no álcool e nas drogas, e o que é pior: Políticos corruptos, que brincam com o povo, como se fossemos nós, apenas marionetes sem força, ou vontade próprias.
Resolvi refletir sobre tudo o que vivi e vivo, procurar “separar o joio do trigo”, buscar amigos fiéis, parentes próximos, colegas que pudessem me ajudar a voltar ao trabalho...
Coloquei minha memória sobre a mesa, e, como quem escolhe feijão, pus-me de alma limpa, sem rancores ou mágoas antigas, a catar os bons grãos da minha vida. Infelizmente o que consegui juntar de bom, não dá nem pra uma cozinhada...
É triste, mas, real!                      
Precisamos unir os poucos seres que ainda tem compromisso com a vida, a natureza, o próximo, aqueles que não concordam com os abusos cometidos contra a fauna e a flora, que tem amor e respeito a Deus, e acreditam no primeiro mandamento bíblico, para juntos começarmos uma cruzada: acho que ainda dá tempo de frear os desvarios, buscar recuperar o que destruímos, mudar nossos maus hábitos cotidianos e viciados. Tenho certeza, que ainda existe muito trigo, nesta terra abençoada que recebemos do Pai.
Estou convidando vocês a nos ajudar a “separar o joio do trigo”. E o que faremos do joio?
... Neste momento não sei, mas, Deus certamente, nos iluminará, para dar ao joio uma boa serventia.

Mil beijos,

Tania Pinheiro.

2 comentários:

Célia Rangel disse...

Pois é Tania... li que não devemos separar o joio do trigo, pois ao separarmos poderemos desperdiçar o trigo! Bem, mas a essa altura da nossa experiência de mais de cinco décadas de existência ativa, sim porque agora somos computados como "expectativa de vida pelo INSS"... Então a essa altura sabemos muito bem, com nossas lentes da vida, separar e dar-lhes o merecido troco nas urnas... "Não Comparecendo"... Afinal, caminhamos por nossas pernas, ainda que bambas, colhemos com nossos braços ainda que frágeis e cansados, e pensamos com nossa mente, sem interdição mental... Portanto, pra que políticos? Para polpudos salários e mordomias? Riquíssimas aposentadorias? Dê-lhes o salário mínimo tão somente para ver onde irá todo esse patriotismo indecente! Talvez, esse meu comentário seja rastreado e meu computador tirado de circulação; mas a minha mente ninguém tira. Sei e ainda posso pensar. É a única região onde sou (somos) livres realmente! Parabéns pela sua plantação de trigo, Tania!
Bjs. Célia.

Carla Ceres disse...

Será que a gente não podia confiscar os bens do joio, Tania? Torná-lo inelegível? Botar na cadeia? Talvez o primeiro passo seja acabar com o voto secreto no congresso, porque, se deixarmos nossos políticos agindo à vontade, eles são capazes de começar uma campanha pró joio, com o slogan O Joio É Joia. :) Beijos!