sábado, 5 de outubro de 2013

Não entendo, não aceito, não compartilho...


Oi meus queridos,

Estou seriamente decidida a aprender a lidar com o laptop, quer dizer, com o que realmente PRESTA, vale a pena, no mundo digital.
Volta e meia, algum maníaco, tarado, insano, possuído, sei lá, posta coisas, que sinceramente, não consigo acreditar que tamanha barbaridade tenha partido de um ser HUMANO. Mostrar cenas de tortura com bicho ou gente, atos e atrocidades cometidas contra o outro, a propriedade alheia, ou mesmo contra sagrada natureza, me deixam indignada!
Não sei qual serventia tem compartilhar coisas do tipo, colocar fogo em índio ou morador de rua, meninas e meninos ainda imberbes, quase assexuados, fazendo michê com gringos e gringas, famintos por imoralidades, sodomia, sadismo, enfim, tudo o que de anormal um vivente pode carregar em si. Digo vivente, pois para mim, quem tem esse tipo de atitudes, pode ser tudo menos humano! (Que me perdoem todo e qualquer ser animal).
É desesperador concluir, que estamos cada dia mais próximos de nos tornarmos feras, como nos primitivos tempos... Augusto dos Anjos, o poeta da morte, já dizia “o homem que nesta terra miserável vive entre feras, sente inevitável necessidade de também ser fera”!
Dia desses, vi uma postagem de algumas centenas de focas mortas, e seus algozes, sorridentes, arrancando-lhes as peles, as mãos ensanguentadas, porém, cientes de que em breve, estariam recebendo milhares de notas (dólar, euro...).
Em pleno século XXI, quase no terceiro milênio, ainda temos irmãos ficando cegos na lida das salinas, ainda vemos crianças e mulheres quebrando pedras (muitos se aleijam em tal trabalho), caminhoneiros que rodam no rebite (anfetaminas), arriscando não só a própria vida, mas a dos outros que transitam na mesma rodovia. Em nenhum desses exemplos, as pessoas são tratadas como gente ou recebem salário digno. Não sei por que, porém, alguns (os patrões) se sentem semideuses, acima do bem e do mal, inatingíveis e inatacáveis.
Na outra ponta da fieira, políticos corruptos e ladrões, funcionários públicos preguiçosos, mal treinados e incompetentes, atendem como se fosse favor, o cidadão que honradamente ganha seu pão, e paga, sem direito, sequer de saber o significado das siglas, dos impostos e mais impostos, que só servem aos de cima, deixando aos cuidados de Deus e da sua própria determinação e sorte a educação, a saúde, o comer, desrespeitando-nos como pessoas dignas, que sabemos ser!
As doenças e mazelas humanas estão muito mais sérias e disseminadas do que pensamos! Talvez, a salvação fosse a criação de uma arma química, que só não exterminasse aqueles que amam seus semelhantes, respeitam a vida e a natureza, dão graças e glória a vida, e tenham consciência da real importância do SER ante ao TER!
Mas, como sei que isso é só um delírio, tento fazer minha parte e arregimentar mais e mais parceiros. Graças a Deus, como Dom Quixote, tenho a Tatá como minha fiel escudeira. Quer entrar para o grupo? Tem lugar para mais muitos... E que Deus nos ajude!

Mil beijos,

Tania Pinheiro.

5 comentários:

Célia Rangel disse...

Oi, Tania! Diante da realidade estampada em suas palavras, respondo-lhe com os versos: ...
“Antes o Voo da Ave...
Antes o voo da ave, que passa e não deixa rasto,
Que a passagem do animal, que fica lembrada no chão.
A ave passa e esquece, e assim deve ser.
O animal, onde já não está e por isso de nada serve,
Mostra que já esteve, o que não serve para nada.
A recordação é uma traição à Natureza,
Porque a Natureza de ontem não é Natureza.
O que foi não é nada, e lembrar é não ver.
Passa ave, passa, e ensina-me a passar! “
[Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XLIII]

George Facundo disse...

Oi minha amiga... Me solidarizo com suas palavras... Muita loucura tem acontecido nesta selva de gente desumana... Mas no underground disso tudo ainda tem sim muita gente que pensa e age diferente, que evolui sua humanidade em meio as intempéries, catástrofes e desumanidades dos ditos humanos... É essa coisa pavorosa e fascinante do bem e do mal sendo opostos e, ao mesmo tempo, caminhando juntos desde as mais remotas eras... Apesar de tudo, de tudo mesmo, para o bem ou para o mal, ainda acho o ser humano fascinante; com todo paradoxo e contradição que essa afirmação está carregada... Devo ser um romântico ou um perfeito idiota... Ou apenas um humanista ingênuo... Enfim... É esse trigo e esse joio sendo obrigados a conviver juntos... Fazer o quê né? O lance é respirar fundo e prosseguir até onde der.
Saudades...
Do seu
George

Tania Pinheiro disse...

Célinha, fico besta com o teu eruditismo, cultura, sabedoria e tanta, tanta humildade, tanto desprendimento.
Nós, e os poetas antigos, como também o são o romantismo, o crer no outro, a gentileza e a educação. Se você soubesse o orgulho que tenho em tê-la como amiga... mesmo que sua imagem, só se concretize no meu coração, muito obrigada!
Beijos,
Tania.

Tania Pinheiro disse...

George querido, que surpresa agradável! Deixou o texto até mais leve rs... Pois é meu querido, a selva de pedra em que vivemos está nos empedernindo, tenho tanto medo disso. Graças a Deus, existe pelo menos no meu mundo, pessoas como a Ritinha, vc, meus filhos, meus amigos queridos, que ajudam-me a não ser tão cética quanto ao futuro. Mas leia os outros textos por favor, afinal, não é todo dia que eu to com a macaca rs... Depois passo sem falta no teu blog.
Beijos,
amor,
tua segunda mãe.

Carla Ceres disse...

Tem muita gente mesmo postando barbaridades na rede, Tania. Por isso, precisamos selecionar. Eu paro de seguir e bloqueio quem divulga essas coisas. Beijos!