domingo, 18 de novembro de 2012

Quando a ordem é calar...



Oi meus queridos,

Temos visto nos noticiários imagens de pânico, terror, violência e brutalidade inenarráveis!
A impressão que temos é que “Sodoma e Gomorra” é AQUI e AGORA.
São Paulo está vivendo um dos piores momentos de sua história: Nem mesmo nos tempos da ditadura, quando os desmandos e ações irracionais eram constantes, se viu tanta violência inexplicável, tanto terror pelo terror.
Todos os dias nos deparamos com chacinas, mortes de policiais, ataques a delegacias e postos de policiamento, fuzilamento de jovens (muitos inocentes) e até assassinatos incompreensíveis, como o de um bebê de 1 ano de idade, morto no colo da mãe, dentro de um carro, porque os bandidos queriam passagem e o pai da criança não entendeu...
Em Brasília, terminado o julgamento do Mensalão, penas estipuladas, fica no ar a pergunta: Será que vão aplica-las de verdade???
Será que os ladrões do erário público, cumprirão como “ladrões que são”, suas penas em celas comuns?
Será que não haverá apelos, apelações ou revisão de sentença, permitindo assim, que os fatos caiam no esquecimento e tudo fique por isso mesmo?
No Nordeste do Brasil, jornalistas que denunciam desmandos, falcatruas, desvios de verba ou gestão fraudulenta e irresponsável são ameaçados, processados, tratados como marginais e inimigos do povo.
A coação, arma comum a vários governantes, faz com que os menos corajosos se calem, “enfiem a viola no saco” e não cumpram com o seu papel de imprensa, que tem por obrigação, informar ao povo a verdade dos fatos, os fatos verdadeiros...
Enquanto Maluf é procurado pela Interpol, no Brasil, onde deveria estar cumprindo pena há muito tempo, o que vemos é, este mesmo senhor, apoiando o prefeito eleito pelo PT em São Paulo, mostrando-nos mais uma vez, “o quão dinâmica é a política”!
 As meninas índias amazonenses estupradas, a dizimação dos Guarani-Kaiowá as barbaridades de Belo Monte, os desvios de verba para “obras” da Copa, os remédios que vencem nos depósitos públicos, antes de serem distribuídos... Tantas e tantas situações calamitosas, que ninguém cita, ninguém grita, ninguém denuncia ou se rebela...
Me lembra 1964 quando a ordem era calar... e aí, me bate uma angústia, um medo, uma vontade de sumir...
Sei lá, preciso ver o mar com urgência, já que só ele me dá a certeza da força da natureza e da misericórdia de Deus!

* * *

Para Tulio Ratto e Ana Cadengue,


Profissionais que honram a sua profissão e me honram com a sua amizade, todo meu carinho, respeito e admiração!

Mil beijos,
Tania Pinheiro.


2 comentários:

Célia Rangel disse...

Tania! Assino com você seu artigo de hoje! Verdades absolutas você declarou, infelizmente. Poderia ser história de ficção, mas não é.
Leia isso: "O ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu, que foi condenado no julgamento do mensalão, está passando o feriadão da Proclamação da República no litoral da Bahia. Neste sábado, ele foi fotografado enquanto passeava pelo jardim de uma casa em um condomínio fechado localizado em uma praia de Camaçari". DISPENSA COMENTÁRIOS, não é mesmo, amiga?! Nós, sobreviventes de "1964" sabemos muito brm o fim disso tudo! Escolha o sabor da pizza!
Bjs. Célia.

Carla Ceres disse...

Já que você falou no assunto, Tania, vou aproveitar a oportunidade e assumir que tenho andado preocupada com vocês duas aí em Sampa, neste momento de tanta violência. Aqui na minha cidade, por enquanto, só tentaram incendiar um ônibus e não se sabe se os homicídios estão relacionados aos daí. Então, por favor, se cuidem. Beijos!