sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Sentimentos sinceros...

Oi gente,
Hoje, eu Tainá vou escrever um pouquinho a pedido da mãe. Ela passou por um exame muito demorado, que levou boa parte do dia e chegou realmente cansada. E me pediu que me desculpasse em seu nome por sua ausência no blog. Mas amanhã, ela estará de volta.
Fiquei um pouco aflita sobre o que escrever. Penso na expectativa de todos que acompanham o blog, que reservam um pedacinho do seu dia para repartir carinho e absorver toda a vivência que minha mãe tem para oferecer. E pensando nisso, me deparei com meus sentimentos sobre toda essa situação que vivemos, lembrei das famílias, dos amigos, das pessoas queridas que também enfrentam a luta de ter um dos seus, acometido pelo câncer e decidi abrir meu coração e dividir o que sinto.
 Atualmente a maior expectativa da minha vida, é a cura da minha mãe. Não há um só dia que eu não pense nisso. E é com um aperto no peito e lágrimas nos olhos que escrevo isso. Meu sentimento é mais do que esperado, diante da mãe maravilhosa que a vida me presenteou. No dia que soube do diagnóstico de câncer, o chão sumiu dos pés e pensei que não suportaria... chorei, solucei como criança pequena. E no meio do meu desespero briguei com Deus. Bradei aos céus com ódio “Por que com ela? A pessoa mais linda, mais amiga, mais forte que conheci?” Orei baixinho pedindo a Deus para trocar de lugar, mas foi em vão. Então no escuro apavorante da minha dor, vi que tudo tem seu propósito. Fiz as pazes com Deus e percebi que tudo que eu precisava era ser forte, tanto quanto ela e mostrar que não há absolutamente nada na vida que possa abalar o alicerce de amor que construímos.
Não sei quanto tempo temos, sei que um dia todos partiremos e segundo o que aprendi com minha mãe, aqui é apenas uma passagem para uma vida muito mais elevada. Por tanto devemos viver cada dia com mais entusiasmo, mais alegria, mais leveza. Valorizando a graça divina que é a VIDA!
O câncer veio para despertar nosso entendimento para um horizonte antes distante. Que me mostrou o real sentido da vida, AMOR! Isso pode parecer clichê, mas é devastador quando se enxerga com os olhos da alma. Devemos entender e aprender o real sentido de amar. Primeiramente a si mesmo, pois nos abandonamos em meio a tantas ilusões na vida. Nosso corpo precisa ser cuidado. Nossa mente precisa ser controlada e alimentada com verdadeira sabedoria e nosso espírito precisa ser reconhecido, purificado e elevado. Se formos sinceros, quantas vezes nos perdemos de nós mesmos. Quantas vezes fugimos da nossa identidade? Quando nossa essência é simplesmente pura... O Criador nos fez com AMOR, como poderíamos caminhar para algo distante disso? E foi aí, que percebi o tamanho da semente que minha mãe plantou em meu ser, entre tantos valores e ideais... A árvore mais linda que conheci. O amor de mãe, o amor pelo próximo. E foi por isso que decidi lutar com tudo que tenho, contra tudo e contra todos que se oporem nessa luta pela vida!
Não sou a melhor filha do mundo e to longe de ser, eu brigo com minha mãe e digo absurdos... por isso peço perdão por falhar muitas vezes em meu propósito. No fundo apesar de minha imperfeição, busco ser merecedora de tudo que tenho.
No meio de uma discussão com minha mãe, para tentar acalmar meu coração escrevi as seguintes palavras:
 E eu tenho que exercitar a paciência dos anjos, e a bondade dos santos. A inocência das crianças e a renovação das flores. Tenho que acalmar meu sangue como os vulcões que adormecem e renascer minha fé como as nascentes dos rios límpidos. Tenho que fluir como a canção de um pássaro e esquecer como o vento apaga os rastros deixados. Tenho que correr com a fúria de uma tempestade e silenciar meu pranto como as folhas secas encontram o chão. Tenho que respirar com a precisão do movimento das ondas do mar e calar minha voz como os sonhos se vão. Preciso sorrir como sol que encontra o orvalho da manhã e dançar como as nuvens de algodão. Devo meditar como um eremita e habitar meu interior como as galáxias preenchem o firmamento. Tenho que entender meu irmão como uma mãe perdoa seu filho. Necessito amar e enxergar a vida com os sentimentos de Deus!
Nesse final me despeço reconhecendo a mãe incrível que tenho e me faz ser quem sou!
Obrigada a todos que estão conosco, não nos deixando cair e lembrando que estamos numa corrente de amor, pela vida!
Um beijo,
                                 Tainá Maíra Pinheiro.

Um comentário:

Célia Gil, narciso silvestre disse...

Antes de mais desejo as melhoras da sua mãe, o que vai acontecer pois estamos a torcer por isso. Depois, quero dizer-lhe que passei o mesmo como filha e entendo-a na perfeição. Gostei muito do que escreveu e como escreveu! Bjs